Jogos

6 mulheres que revolucionaram os games

Cadastre-se

E receba conteúdos exclusivos!


Esse universo sempre foi marcado por grandes nomes, homens e mulheres que revolucionaram os games. Sejam os das franquias de jogos ou das personagens e músicas, muitos inspiraram gerações e ainda terão impacto na vida de jovens mundo a fora.

Eu bem me lembro de suar para passar dos chefões de Sonic e de jogar horas a fio até zerar os jogos de GameBoy. Você ou sua filha curte programação e jogos também?

Já parou para pensar em quem está por trás disso tudo? Quem são as pessoas responsáveis pelo desenvolvimento destes jogos? Aliás, quem cria e escolhe as músicas? Quem programa todos esses dados que abrem infinitas possibilidades dentro de um único jogo?

E, por que não, quantas dessas pessoas são mulheres? Quantas delas você conhece de nome ou já viu em uma feira voltada para o mundo dos games?

Ficou assustado por não lembrar ninguém no momento? Relaxa! Hoje nosso objetivo é apresentar você a algumas dessas mulheres que revolucionaram os games!

Carol Shaw

  • Save

É impossível começar essa lista e não citar Caro Shaw! Nascida na Califórnia, Shaw é considerada a primeira mulher programadora de games do mundo!

Ela começou sua carreira na Atari e participou da criação do 3-D Tic-Tac-Toe para o Atari 2600. Construiu seu mais famoso jogo, River Raid, em 1982 na Actvision e viu sua criação se tornar um clássico.

Aposentou-se em 1990 e foi reconhecida em 2017, quando ganhou o Industry Icon Award no evento The Game Awards.

Roberta Willians

  • Save

Co-fundadora e game designer da Sierra Online (atualmente conhecida como Sierra Entertainment), tornou-se famosa após a criação da série King’s Quest, em 1984.

É à ela que se atribui a criação do gênero de jogos chamado “aventura gráfica” e ganhou o mesmo prêmio que Carol Shaw, só que em 2014. Seu trabalho mais influente se deu entre os anos de 1980 e 1990, encerrando-se em 2014 com Odd Manor.

Pelo menos é o que achamos, pois a longa pausa entre King’s Quest: Mask of Eternity e este último jogo nos deixa uma esperança de ainda acompanhar mais algum lançamento exclusivo seu.

Rieko Kodama

  • Save

Considerada primeira dama dos jogos de RPG no Japão, Kodama é criadora da série de jogos eletrônicos Phantasy Star, produzida para ninguém menos que a própria SEGA.

Com suas muitas versões e capítulos (e até mesmo uma série online), seu jogo traz uma ambientação futurista e repleta de fantasia. A missão é combater monstros usando inteligência, armas e pistolas, magias e até veículos.

Ah, lembra que estávamos relembrando os bons tempos de Sonic? Rieko foi designer gráfica dos jogos Sonic lançados em 1991 e 1992. Ultimamente seu trabalho tem focado mais na produção, sendo os últimos lançamentos a série 7th Dragon para Nintendo e PlayStation.

Jade Raymond

  • Save

Com menos de 35 anos, Raymond já tinha se aventurado na produção de dois dos jogos mais conhecidos dos anos 2000: Assassin’s Creed e The Sims, o primeiro pela Ubisoft e o segundo pela Eletronic Arts.

Não à toa ela foi uma das poucas executivas relacionadas a jogos a ocupar posição na lista da revista Variety dos líderes executivos mais influentes de 2018.

Neste mesmo ano ela deixou o trabalho na EA, aparentemente sem maiores justificativas. Em 2019, Raymond foi anunciada como vice-presidente do Google com a missão de liderar o primeiro estúdio de game da empresa.

Yoko Shimomura

  • Save

A mais famosa compositora de videogames tem nome e é Yoko Shimomura! Ela começou a carreira compondo trilhas sonoras para jogos em 1988 e ficou marcada pelos sucessos de Street Fighter II, Final Fight e a franquia Mario e Luigi.

Entretanto, seu maior feito é particularmente especial. A trilha sonora do jogo Kingdom Hearts é toda dela, inclusive a trilha do jogo que foi lançado este ano. Vale conhecer seu trabalho:

Rhianna Pratchett

  • Save

Pratchett é conhecida por muitos feitos, mas talvez o maior dele seja justamente a famosa Tomb Raider. Rhianna foi responsável por toda a narrativa do jogo lançado em 2013 e, depois, em 2015.

Escritora e jornalista, trabalhou para a SEGA, para a Ubisoft, para a EA e muitas outras empresas reconhecidas deste mundo de jogos. Além disso, escreveu a história em quadrinhos Tomb Raider: The Beginning lançada pela Dark House em 2013 e Mirror’s Edge, em 2008 para a DC Comics.

Tanto talento resultou em cinco nomeações a prêmios mundiais e quatro conquistas. Talvez você esteja se perguntando se esse sobrenome soa comum…

Bem, deveria soar. Ela é filha de Terry Pratchett, autor renomado de fantasia, lançado no Brasil pela editora Bertrand Brasil, do Grupo Editorial Record. Tal pai, tal filha, não é?

Agora, conta pra gente: você conhece mais algum jogo desenvolvido por mulheres? Acha que faltou alguma mulher importante para esse meio nesta lista de mulheres que revolucionaram os games? Deixe um comentário!