Ir para o conteúdo

Exibindo artigos de
Liderança e empreendedorismo

Como está a inclusão das mulheres na indústria tecnológica?

Ainda que o estereótipo masculino domine as imagens comuns a respeito da indústria tecnológica, as mulheres sempre estiveram envolvidas com as inovações mais importantes deste meio.

Ainda assim, um dos esforços mais necessários dos últimos anos têm sido a inclusão das mulheres no mundo das inovações tecnológicas. Nesse artigo você entende a motivação e como anda esse processo.

Existem inúmeros casos de mulheres formidáveis que participaram da história e do presente da tecnologia. No entanto, as estatísticas demonstram uma desigualdade impressionante em um mundo que não para de crescer e exigir mais pessoas especializadas e capazes de levar a cabo a revolução tecnológica.

Ainda que o diversas empresas estejam dando importância crucial para esse processo – que resulta em ganhos econômicos e sociais – muito trabalho ainda precisa ser feito para que a proporção entre homens e mulheres nas empresas tecnológicas fique mais igualitária.

Entenda melhor abaixo.

O que dizem os números a respeito da presença das mulheres na tecnologia

A desigualdade de gênero não é um assunto novo, Desde os anos 60, pelo menos, as lutas femininas por maior participação no trabalho tem obtido bons resultados. O que é surpreendente, no entanto, é o fato de que a porcentagem de mulheres buscando formar-se e trabalhar no setor de tecnologia tem diminuído a passos largos nos últimos 25 anos.

Como as maiores empresas do ramo tecnológico estão enraizadas nos EUA, as estatísticas deste país – que conta com 51% da população feminina – são bastante ilustrativas de um processo global.

Não é surpreendente que isso ocorra ao mesmo tempo em que essa indústria não para de crescer?

De acordo com o Instituto Mckinsey, um dos grandes centros de pesquisa econômica dos EUA, as mulheres  ocupam apenas 19% das vagas em cursos de graduação para cursos de ciência da computação e 26% dos postos de trabalho na área de computação nos EUA.

A situação fica mais grave quando os índices a respeito da presença de mulheres negras e de origem latina são analisados. Ainda que representem 16% da população nos EUA, essas mulheres ocupam apenas 4% dos cargos técnicos no setor de tecnologia.

Essa questão social alarmante é ainda mais preocupante quando consideramos que nos próximos anos a demanda  por funcionários(as) preparados(as) para ocupar os postos em empresas de tecnologia aumentará 90%.

No Brasil, a situação segue o mesmo compasso da norte-americana. A estimativa divulgada por um instituto de pesquisa da Microsoft aponta que apenas 25% das pessoas empregadas em empresas de tecnologia no país são mulheres.

A falta de mulheres na indústria tecnológica é explicada por vários fatores, alguns deles estruturais, como a cultura masculinista, o preconceito e dificuldade que empresas de tecnologia enfrentam para abrir espaço para diversidade.

Essa situação cíclica é amparada pela baixa representatividade feminina na indústria. Ainda que os primórdios da programação de computadores seja devido aos esforços de pioneiras como Ada Lovelace, uma pesquisa recente no Reino Unido sinaliza que 78% das estudantes entrevistadas não sabiam dar o nome de uma mulher que trabalhava na área de tecnologia. Além disso, apenas 5% das posições de liderança na indústria tecnológica são ocupadas por mulheres.

Diante desse quadro, é natural que meninas e adolescentes sintam-se desencorajadas para direcionar seus esforços em direção ao aprendizado de carreiras de tecnologia.

É por isso que vamos focar agora nos exemplos do que está dando certo e nos projetos que têm sido aplicados para ampliar a diversidade e a integração das mulheres no mundo tech, vamos lá?

Como trazer mais mulheres para a indústria da tecnologia?

Segundo algumas estimativas, a equidade de gênero nas empresas de tecnologia deverá atingir índices mais equilibrados apenas por volta de 2025. No entanto, isso não significa que esforços realizados por empresas ONGs e escolas não esteja surtindo bons efeitos.

O movimento em prol da diversidade de gênero nas empresas de tecnologia tem gerado resultados como a inclusão de posições de liderança focadas em melhorar a representatividade. Essas líderes são, normalmente, mulheres cuja sensibilidade em relação à diversidade ajuda que empresas multinacionais melhores seus programas de inovação e quadro de talentos.

Um dos casos mais representativos é o de Lesley Brown, chefe do escritório de diversidade da HP, uma empresa que tem trabalhado para se tornar uma empresa mais diversa e inclusiva.

Outras empresas de grande porte tem dado importância maior para ações de inclusão e diversidade, especialmente por conta de diversos estudos demonstram que empresas mais diversas geram aproximadamente 19% a mais de lucro por conta de inovações.

No Brasil, uma série de iniciativas estão em prática para movimentar e organizar as mulheres que buscam ingressar nesse mercado de trabalho. Alguns exemplos são a Anitas, em SC, que busca incentivar a presença feminina no empreendedorismo tecnológico. O #minasprogramam ajuda meninas e mulheres que querem aprender a programar e não encontram espaço por fatores sociais. De modo parecido, o MINAs é um programa em Recife (PE) que fortalece a presença de mulheres nas áreas de tecnologia e comunicação.

Talvez em resposta aos incentivos sociais e econômicos, as empresas estão começando a dar passos largos para resolver essa dívida histórica. O Google anunciou, dias atrás, inscrições abertas para a capacitação gratuita de 10 mil mulheres na área tecnológica.

Educação tecnológica para meninas

Ongs, ativistas e empresas estão dando passos rumo à inclusão das mulheres no mercado de trabalho tecnológico.

No entanto, para que essa mudança seja firmada de maneira sólida em nossa sociedade, a própria cultura em relação à tecnologia precisa ser alterada.

É com isso que nos preocupamos aqui na codeBuddy. Vemos o potencial de garotas que amam tecnologia desabrochar em nossas aulas e vislumbramos um mundo onde as inovações serão feitas com a participação de todos e todas, para todos e todas.

Trabalhamos com uma metodologia de ensino personalizado e inclusive para o séc. XXI. Se sua filha gosta de tecnologia, usa bastante o celular ou adora games, dê um passo a mais e incentive que a educação tecnológica faça parte de seu dia-a-dia!

 Ler mais

7 habilidades do empreendedorismo para crianças

A maior parte das habilidades que são importantes no empreendedorismo são encontradas facilmente em crianças. Você já percebeu isso? É assim que descobrimos que o empreendedorismo para crianças não é uma realidade tão distante assim, nem um avanço inesperado.

Inclusive, não se preocupe. Neste artigo não queremos acelerar o processo e atrapalhar a diversão das crianças transformando-as em empresárias precoces.

Pelo contrário! Nossa ideia é mostrar como brincadeiras e atividades infantis podem preparar as crianças para se transformarem em pessoas inovadoras, criativas e habilidosas no mercado de trabalho.

A maioria dessas habilidades são totalmente comuns na infância e isso é uma ideia que nos empolga aqui na codeBuddy!

empreendedorismo para crianças

1 – Determinação

É difícil ver um adulto mais determinado do que uma criança, desde que ela esteja realmente engajada no que está fazendo.

Engajamento é, na verdade, uma das questões centrais do processo de aprendizado. A criança precisa conseguir aplicar devidamente o que é apreendido no mundo das ideias no mundo material.

Para incentivar a determinação de uma criança, cuide para que os interesses dela sejam atendidos e que exista uma atmosfera de apoio ao seu redor. Isso significa que ela verá a presença de adultos como uma segurança de que ela pode experimentar e errar ao invés de receio e insegurança.

Desafios são parte normal do processo, ajude a criança a entender que é preciso aprender com os erros e não se abalar com o que não dá certo. É lidando com os erros que criamos a determinação necessária na vida de qualquer empreendedor(a).

2 – Eloquência

Empreendedores precisam trabalhar bem a fala, afinal serão o centro de reuniões, planejamentos, brainstorms e outras atividades como palestras e falas públicas.

De certo, a eloquência é uma característica básica para quem deseja ser bem sucedido no mundo empresarial.

Essa é uma qualidade que está muito presente em muitas crianças e não tanto em outras e isso implica que cada caso deve ser trabalhado em suas especificidades.

Para incentivar a eloquência, é importante sempre abrir espaço para que as crianças expressem seus sentimentos e emoções.

Além disso, algumas atividades pode ajudar muito no processo de adquirir uma comunicação natural e clara.  Na infância, o ensino de música e canto pode ajudar a soltar a voz. Aulas de teatro são uma das práticas mais comumente indicadas para crianças muito introvertidas e tímidas, com resultados impressionantes.

Outra opção é incentivar a leitura de livros, que ajuda a criança a aumentar o vocabulário e na formulação de ideias de maneira mais rica.

O diálogo entre pais e filhos é sempre necessário!

3 – Autoconfiança

Um(a) empreendedor(a) precisa enfrentar situações em que é preciso tomar decisões, assumir posições arriscadas, lidar com a frustração de funcionários e com a exposição pública.

Todos esses desafios requerem uma pessoa que tenha trabalhado intensamente sua própria autoconfiança.

Pode parecer estranho, mas uma das maneiras mais eficazes de incentivar a autoconfiança em uma criança é demonstrar que ela pode aprender com seus próprios erros, deixando claro que cada fracasso é apenas mais um passo rumo ao sucesso.

Assim, quando chegar a hora de tomar decisões realmente difíceis na vida, ficará claro que a pessoa possui experiência e bagagem para lidar com qualquer um dos resultados. Isso inspira as pessoas e ajuda a formar um(a) verdadeiro(a) líder.

É por meio do alcance da determinação de alcançar os sonhos que a autoconfiança pode emergir.

empreendedorismo para crianças

4 – Autonomia

Pais e professores devem evitar o comportamento de querer controlar e fazer tudo para as crianças. Esse tipo de constante intrusão pode começar a gerar um espírito dependente e instável.

Desde as brincadeiras infantis e aprendizados escolares, as crianças precisam aprender a cuidar de si mesmas e serem autônomas em seus aprendizados.

Isso significa garantir locais em que as brincadeiras sejam feitas com segurança e que não exijam a observação de um adulto em tempo integral.

Além disso, as crianças devem aprender a resolver e fazer escolhas.

Por exemplo: permita que elas decidam entre duas opções sobre como gastar a mesada sem influenciar por tal ou qual decisão. Sim! Mesmo que ela esteja claramente escolhendo a opção “errada”! Esse é o ponto!

EXTRA: A educação financeira é extremamente importante para o desenvolvimento de habilidades empreendedoras.

5 – Pensamento estratégico

Todos os últimos tópicos apresentados irão culminar nessa habilidade essencial para qualquer empreendedor: o pensamento estratégico.

Qual é a melhor maneira de investir o dinheiro? Qual é a melhor opção para apresentar aos investidores na próxima reunião?

Essas questões, complexas e definidoras, são ligadas diretamente às pequenas decisões que uma criança tem de fazer em seu dia-a-dia.

Trabalhar a autonomia e autoconfiança permite que o pensamento estratégico seja feito de maneira experiente. Significa encontrar caminhos e opções e compará-las, ativando o pensamento de longo prazo e ampliando a capacidade mental.

O pensamento estratégico também pode ser apreendido em esportes, jogos eletrônicos específicos e no aprendizado de programação de computadores.

6 – Pensamento criativo

Essa habilidade inata das crianças será totalmente necessária para qualquer pessoa que deseja tornar-se uma empreendedora de sucesso.

A criatividade é um requisito difícil de medir, mas presente nos desejos de todas as grandes startups e gigantes tecnológicas que moldam as nossas formas de comunicação e interação contemporâneas.

A ideia é que é -preciso sempre “pensar fora da caixa” e encontrar soluções ideais para problemas ainda não resolvidos.

Uma forma de aplicar essa qualidade infantil e ainda obter uma ajudinha no dia-a-dia é envolver as crianças na solução de problemas caseiros cotidianos.

Se você tem dúvidas a respeito da capacidade das crianças de inovarem e criarem soluções, dê uma olhada nesses projetos de alunos codeBuddy.

7 – Capacidade de adaptação

O empreendedorismo contemporâneo é grandemente direcionado para à solução de problemas. É só pensarmos em soluções como o Uber ou NuBank para entendermos que as pessoas vão mudando com as inovações tecnológicas e criando novas necessidades.

As crianças são extremamente hábeis para capturar esse tipo de alteração no comportamento social.

Aliás, você já notou como elas aprenderam rápido a mexerem em celulares, tablets e outros gadgets?

É por isso que as crianças demonstram uma capacidade de aprendizado enorme e são capazes de aprender com uma facilidade enorme.

Aqui na codeBuddy privilegiamos a qualidade da adaptação ao trabalharmos diversas linguagens de programação em um sistema de ensino baseado na gamificação.

Nossos alunos aprendem a programar, trabalhando a lógica e o pensamento matemático. Assim, habilidades inatas e adquiridas são desenvolvidas em um processo divertido e instigante.

Empreendedorismo para crianças não é chato, nem atrapalha processos. É uma preparação e avanço para o futuro!

 Ler mais

3 crianças que criaram projetos para mudar o mundo

O incrível potencial das crianças é um fato incontestável. Elas são curiosas, criativas e aprendem novas habilidades com facilidade. Além disso, elas são empreendedoras natas, já que sempre observam nosso mundo com olhares inesperados e são hábeis em imaginar soluções.

Podemos dizer que crianças e adolescentes possuem a chave para criar empolgação e foco em qualquer projeto em que se interessarem, ainda mais se o processo for divertido! Nesse contexto, a tecnologia se transforma em uma ferramenta incrível para educar a inovar.

Você já imaginou os frutos possíveis da criatividade das crianças, quando voltada para projetos para mudar o mundo?

É justamente isso que a codeBuddy queria encontrar  no desafio Change The World – Game XP. A ideia era ver todo esse potencial gerando frutos de impacto social. E os resultados foram exatamente como a gente imaginou: incríveis.

No desafio, crianças e adolescentes deveriam criar soluções tecnológicas para questões de interesse comum para toda a sociedade e, como você verá, os projetos vencedores tratam de temas como saúde, meio ambiente e acessibilidade.

Conheça abaixo os projetos para mudar o mundo das crianças que venceram nosso concurso e ganharam passaportes para o evento Game XP – o maior Game Park do mundo, que ocorreu em Julho de 2019.

Nathan Viegas, aluno codeBuddy

Um jogo para conscientizar em relação ao meio ambiente

Aqui na codeBuddy, gostamos de abordar a importância que a tecnologia pode ter na educação, especialmente os jogos, que não costumam receber atenção necessariamente positiva na mídia tradicional.

Mas o que dizer quando um aluno de 9 anos produz um jogo com o intuito de conscientizar a preservação de uma espécie em extinção?

Foi o caso de Nathan Viegas, um aluno codeBuddy vencedor da categoria de 7 a 9 anos do desafio Change The World – Game XP.

Os auritas são uma espécie de sagui, macaquinhos que vivem na região serrana da Mata Atlântica, abundante no Sudeste do Brasil. Esse animais estão em risco de extinção, uma preocupação de nosso aluno, que resolveu unir diversão e conscientização em seu game educacional.

No enredo do jogo, é preciso salvar os saguis evitando obstáculos simbólicos dos ataques contra o meio ambiente: caçadores, lixo e fogo, que ameaça queimar a floresta. Os obstáculos diminuem a velocidade do jogador, que precisa trabalhar sua movimentação e agilidade.

Você pode pensar que esse projeto não vai, necessariamente, mudar o mundo. Mas você já ouviu o ditado de que precisamos cuidar de nosso quintal antes de mudar o mundo?

A fala de Nathan já explica tudo: “Os auritas vivem nas montanhas de Petrópolis, cidade onde moro, e muitas pessoas não sabem que eles existem. Meu objetivo com o jogo é fazer mais pessoas conhecerem e, dessa forma, lutar pela sua preservação”.

Pequenas soluções como essa, podem gerar frutos inesperados, capazes de alterar nossa sociedade para melhor, construindo peça por peça de um novo mundo.

https://globoplay.globo.com/v/7828583/programa/

Uma smart-bengala capaz de ajudar pessoas com deficiência visual

Todo mundo já viu, na vida ou em filmes, pessoas cegas ou deficientes visuais com cães guias e bengalas para se localizarem no mundo. Se a ideia inovadora de Felipe Rodrigues (um aluno de 13 anos) pegar, essa paisagem poderia se tornar muito mais tecnológica e futurista.

Felipe se inspirou em uma situação familiar para criar seu projeto vencedor da categoria entre 10 e 13 anos do desafio Change The World – Game XP: uma prima, com praticamente a sua idade, que é deficiente visual e precisa da ajuda de seus pais para se locomover.

A criação de Felipe parece o tipo de ideia que a gente fica de boca aberta com a sensação de “como ninguém pensou nisso antes?”.

Trata-se de uma bengala inteligente, que utiliza um sistema de sensores de obstáculos e gera um aviso sonoro para a pessoa que não pode enxergar. Além de planejar o sistema por trás do equipamento, Felipe produziu artesanalmente a bengala, que ficou elegante e com a parte elétrica protegida.

Felipe afirmou desejar que seu projeto possa ajudar outras pessoas com deficiência visual, para além de sua prima. Considerando que esse é apenas um protótipo, não temos dúvida de que a ideia possa vingar em uma boa solução para facilitar a vida de milhares de pessoas pelo mundo!

Raissa Lauar

Um app para ajudar os pais a cuidarem de crianças com obesidade

A vencedora da categoria entre 14 e 17 anos, Raissa Lauar (de 14 anos de idade) já pode ser tranquilamente chamada de empreendedora digital. O seu sucesso não é recente, já que ela já foi convidada a dar palestras e agita seus projetos de ciências na escola, usando técnicas de efeitos especiais para produzir vídeos, criando games e sites de diversos temas.

Raissa quer ser programadora e considera a importância de sua presença no aumento das mulheres no ambiente tecnológico. É isso aí Raissa!

Mas além de sua promissora carreira, Raissa ainda reserva uma atenção cuidadosa para a questão da saúde infantil em seu app vencedor do concurso Change the World.

Trata-se  de um sistema voltado à prevenção e tratamento da obesidade infantil, com notícias, receitas, informações a respeito de saúde e nutrição, contatos de especialistas na região do(a) usuário, uma ferramenta para calcular o IMC (Índice de Massa Corporal ) e um chat para que os usuários possam trocar experiências e se conhecer. Ufa!

A base completa para criar conscientização e ação para o problema da obesidade impressiona: é uma plataforma robusta e profissional, com tudo para crescer em popularidade e ajudar a vida de várias pessoas. Raissa, concisa, revela as qualidades de seu produto: “O app facilita o acesso a informações seguras, que podem ajudar a combater a doença”.

projetos para mudar o mundo: como dar o primeiro passo

As crianças podem mudar o mundo!

Esses são apenas exemplos incríveis mais recentes de crianças e jovens criando projetos para mudar o mundo.

O ensino da tecnologia e a conscientização das crianças – a respeito dos desafios e possibilidades do mundo conectado – é uma missão que pode gerar resultados incríveis e nos permitir mudar o futuro com ações no presente.

A codeBuddy está engajada em ajudar pais e filhos a trabalharem essas potências transformadoras! Nossos cursos de tecnologia estão disponíveis nas mais de 40 unidades, espalhadas por oito estados brasileiros, com tutores prontos para ajudar crianças a criarem projetos para mudar o mundo.  Conheça nossos cursos e faça parte do mundo codeBuddy!

 Ler mais

5 documentários para pais e mães assistirem

Os documentários podem ser ao mesmo tempo informativas, inspiradoras e ainda materiais agradáveis para uma sessão caseira de cinema. Eles são uma maneira de conhecermos a respeito dos avanços em várias áreas do saber humano sem precisarmos gastar horas e mais horas decifrando artigos acadêmicos ou filtrando conteúdos na internet. Os documentários para pais são um facilitador no cotidiano!

Pais e mães costumam ser pessoas ocupadas, muitas vezes com o tempo dividido entre trabalho, cuidar dos filhos e afazeres domésticos. Assim, assistir um documentário é uma forma especial de conhecer informações valiosas em um formato rápido.

Pensando nisso, a codeBuddy resolveu facilitar um pouco mais esse processo e escolhemos a dedo alguns dos documentários que consideramos importantes para integrar o repertório de pais e mães conectados e modernos.

A maioria dos títulos abaixo são encontrados no Netflix ou alugada por um preço adequado em plataformas digitais na internet. Está facinho programar sua sessão de cinema em casa no fim de semana!

Vamos lá?

documentários para pais

O começo da vida (2016)

Esse é um documentário brasileiro, dirigido por Estela Renner, abordando um dos períodos mais incríveis da existência: a infância.

A ideia dessa obra é demonstrar como os primeiros anos de nossa formação como humanos são essenciais em como nossas personalidades serão desenvolvidas no futuro.

Estela entrevista famílias muito diversas, em vários contextos, trabalhando a importância de diversas relações, da convivência em comunidade, no espaço urbano e caseiro e também aspectos didáticos e pedagógicos.

Não precisamos nem falar que esse filme é um prato cheio para os pais empolgados com essa atividade apaixonante e de tempo integral. Imperdível!

Happy (2011)

Esse documentário, já consolidado nas prateleiras virtuais da Netflix, aborda um tema que interessa a todas as pessoas, em um grau ou outro, a felicidade.

Como manter uma vida feliz? Como viver de forma mais genuína e não perder o encanto pela existência?

O documentário aborda o que significa ser feliz em diferentes culturas e conta com a participação abundante de especialistas, como psicólogos e neurocientistas.

Esse é um filme interessante para os pais que se preocupam com a qualidade de vida e harmonização da vida. A ideia é que não é apenas um material informativo, mas uma inspiração capaz de causar efeitos diretos na forma como você vive.

documentários para pais

Eis os delírios do mundo conectado (2016)

Conduzido pelo lendário diretor de cinema alemão, Werner Herzog, este documentário explora, de maneiras inusitadas e intimistas, a crescente integração da tecnologia em nossa vida.

O documentário foca especialmente na relação das pessoas com a Internet em vários sentidos, positivos e negativos. Aqui veremos avanços em áreas como ciência, comunicação e robótica, além dos sonhos e inovações de pessoas importantes do mundo da tecnologia, como Elon Musk.

Por outro lado reconheceremos vícios, problemas de relacionamento online e até alergias provocadas pela tecnologia.

Esse é um filme que se tornou um clássico e uma peça essencial para quem quer refletir sobre nossa sociedade contemporânea.

documentários para pais

The Kids Menu (2016)

A influência da nutrição no nosso bem estar e saúde é inquestionável e os pais estão a cada dia mais interessados em manter as dietas de seus filhos equilibradas.

Neste documentário, o cineasta Joe Cross trata do problema da obesidade infantil de maneira ampla. Vemos entrevistas com especialistas, pais, professores e crianças.

Muitos problemas são detectados: a falta de conhecimento a respeito de quais são as comidas saudáveis, dificuldade acesso a esses alimentos, mas especialmente a influência de modelos negativos, afinal, como fazer as crianças apreciarem e desejarem comer alimentos realmente saudáveis?

Se você tem dificuldades para inspirar seu filho ou filha a comer melhor e mais saudável, esse documentário pode ser um material esperançoso. Se uma educação especial for realizada, as crianças começam rapidamente a seguir o caminho de uma vida mais saudável.

codegirl

Codegirl (2015)

A questão da presença e influência das mulheres na tecnologia é um tema desse ótimo documentário realizado em uma parceria da Google com a diretora Lesley Chilcott.

Esse é um tema que gostamos de trabalhar na codeBuddy, por considerarmos que a presença das mulheres no mundo da tecnologia e do empreendedorismo não é apenas necessária, como inevitável. Inclusive, se sua filha gosta muito de tecnologia, conheça maneiras de aproveitar esse interesse.

O documentário Codegirl apresenta as dificuldades que algumas mulheres enfrentam para se inserir no campo de atuação da tecnologia, que acabou construído enquanto um ambiente muito masculino.

As empresas do Vale do Silício estão abrindo as portas para acabar com esse preconceito e o documentário mostra a reação de mulheres que estão impondo o respeito pessoal e profissional nessas gigantes.

Além disso, o documentário apresenta um grupo de garotas do ensino médio (incluindo brasileiras!) em uma competição de programação para criar um novo aplicativo. Nós da codeBuddy gostamos muito dessa parte, já que consideramos que a programação de computadores é uma ferramenta educacional incrível. .

Prepare a pipoca e curta esses documentários para pais no estilo codeBuddy!

Esses são alguns dos documentários mais importantes que selecionamos para você. Se a ideia é maratonar e conhecer a fundo algumas relações importantes sobre a infância e o mundo que vivemos, não deixe de conferir documentários importantes como Infância Perdida (2009), A vida Secreta dos Bebês (2014)  e a série documental que surgiu na parceria entre Netflix e Vox: Explicando (2018).

Além disso, se quiser aprofundar um pouco mais em algumas questões abordadas nesses documentários, conheça e baixe nossos e-books!

Gostou de nossas sugestões? Sentiu falta de algum documentário para pais? Comente abaixo e ajude a construir o mundo codeBuddy!


 Ler mais

Snapchat vs Instagram: como eles fazem parte da vida do seu filho

Enquanto os pais estão se entendendo com o Facebook, os filhos estão explorando o mundo visual das comunicações diretas e um tanto individuais. É o foco no “eu” que, de certa forma, garante o sucesso do Snapchat e Instagram, ambos fenômenos de popularidade.

A verdade é que pesquisas recentes demonstram que a rede favorita dos jovens ainda é o YouTube. Segundo elas, 85% dos adolescentes que usam redes sociais estão presentes no YouTube – e imagina quem vem logo em seguida? Justamente o Instagram, com 72% da atenção, seguido pelo Snapchat com 69% do uso.

Não é difícil entender o apelo dessas redes. Os filtros nos ajudam a ser diferentes pessoas ao mesmo tempo que mantemos nossas características e são sempre divertidos.

Além disso, nenhuma das duas redes permite longos e políticos textos, opiniões extensas sobre assuntos complexos. Elas geram uma bolha, feita de amigos próximos e conhecidos do ambiente escolar, e o número de seguidores determina até mesmo certo status.

Apesar das semelhantes, as redes são diferentes e oferecem, cada qual, uma forma específica de interação. Por isso, a codeBuddy resolveu explicar como Snapchat e Instagram fazem parte da vida de seu filho ou filha – e como você pode se encaixar nessa dinâmica.

Vamos lá?

O charme do Instagram

Não apenas para o público jovem, o Instagram cresceu enormemente nos últimos anos e impulsionou as tão famosas selfies. A maioria dos celulares conta com câmera frontal especialmente para facilitar a fotografia desses autorretratos.

Afinal, quase qualquer hora é hora para uma boa selfie. Sair com amigos e amigas, um show, um evento, um belo entardecer, o esporte praticado no meio do recreio… O Instagram tornou-se a plataforma ideal para compartilhar fotos e mostrar de forma quase glamourosa a rotina para os outros.

Incentivados talvez pelos próprios reality shows, crianças e adolescentes são protagonistas de suas vidas e têm uma história para contar. Eu diria até mesmo que isso tudo é reflexo dos anos 90 e início dos anos 2000.

Além disso, elas podem seguir ídolos, conhecer seu cotidiano e até deixar comentários. O please come to Brazil surgiu exatamente nesse contexto de comunicação fácil com absolutamente qualquer pessoa do mundo.

Por dar um peso tão grande às imagens – afinal, seu perfil é baseado nelas – não é incomum ver perfis com curadoria, preparados e planejados com antecedência para transformar as cores e dinâmicas da rotina num imenso porta retrato virtual (geralmente só com os bons momentos).

Seguidores, likes e views dos vídeos ditam relevância para os seguidores, e as hashtags permitem que qualquer um com interesses em comum se encontrem. Ah, e achou que o Instagram ficaria realmente para trás do YouTube? O recurso IGTV facilita o eu blogueiro de qualquer um.

Pontos positivos do uso do Instagram

O Instagram pode ser um app de interação saudável desde que alguns cuidados sejam feitos por parte dos pais. A partir dos 13 anos, requisito mínimo para o uso do app, as crianças podem criar um perfil.

Caso o intuito seja focar na vida pessoal, é recomendável que a conta seja fechada, com os pais explicando a importância de aceitar apenas conhecidos. Princípio básico da segurança: não queremos que nossa rotina fique tão exposta a quem não nos conhece.

Mas se seu filho tem um dom para arte, deixe o perfil aberto para que ele mostre ao mundo seus desenhos, pinturas, fotos, música e até dança! Há uma comunidade inteira compartilhando talentos pelo Instagram e por que não fazer parte dela?

Conversem, entendam os objetivos de criar uma conta e também permita que a criança ou adolescente se sinta livre. Guiar é altamente recomendável, enquanto proibir é a receita para o desastre.

O apelo do Snapchat

Um dos motivos para o snapchat ser tão famoso entre os mais jovens é o fato das mensagens serem excluídas em poucos segundos, dando uma sensação maior de liberdade. Algo que para, talvez para os adultos, faça um pouco menos sentido.

Além disso, a rede oferece controle sobre o que é enviado. Sabemos, por exemplo, se alguém tirou um print da foto ou mensagem que enviamos. E, caso contrário, “esta mensagem se auto-destruirá em 7 segundos”.

Como se não fosse suficiente, é possível realmente se divertir no aplicativo. Os filtros são diferentes daqueles encontrados no Instagram, e você pode alterar a voz para a de um bebê ou de uma abelha, mudar o formato do rosto, e se fazer piada e rir de si mesmo.

Por fim, ele ainda trabalha gamification com os chamados streaks, que é uma espécie de competição para manter uma conversa com um amigo ou amiga pelo maior tempo possível.

O apelo do Snapchat se dá muito sensação de participação em uma comunidade. As ferramentas internas do app ajudam a criar uma série de interações que transformam uma simples conversa em um verdadeiro jogo.

Pontos positivos do Snapchat

Por ser um aplicativo que possibilita muito mais controle do conteúdo postado, o Snapchat pode ser considerado uma opção mais segura do que o Instagram.

O site CyberBulling publicou uma pesquisa que ressalta que a ausência de uma barra de busca e outros recursos presentes no Instagram, tornando o Snapchat uma opção melhor para adolescentes. Nesta “guerra” de Snapchat vs Instagram, definitivamente o primeiro ganha.

Vale ressaltar que a experiência do usuário, ou, em outras palavras, a atmosfera no Snapchat, é muito menos voltada para o universo de “likes”. Política que inclusive foi alterada pelo Instagram, não mostrando mais publicamente o número de likes em fotos e vídeos, evitando que as pessoas adquiram a necessidade de aprovação ou validação dos outros para se sentirem felizes e realizadas.

Snapchat vs Instagram: quem ganha?

Infelizmente não existe resposta para essa pergunta, pois as redes são usadas de maneiras diferentes e apresentam problemas distintos. Reconhecidamente, nenhuma delas precisa ser proibida.

Até porque, mais importante do que validar uma rede social, é entender a maneira que ela é usada e impôr limites. Para isso, é importante trabalhar uma educação digital tanto em nós, adultos, quanto nas crianças e adolescentes.

Afinal, eles estão aprendendo a viver nesse mundo que contém riscos tanto na internet quanto na vida cotidiana. E, assim como nós, precisam entender como suas ações e compartilhamentos podem dar tanto certo quanto errado.

A codeBuddy se preocupa com essa questão e acredita que a conscientização sobre a tecnologia pode ajudar crianças e adolescentes a criarem visão crítica e uma postura mais ativa nesse universo. Com uma atitude positiva, podemos melhorar o mundo ao nosso redor por meio da tecnologia!

 Ler mais

Os desafios da privacidade em tempos de influencers

Você está por dentro do burburinho por trás dos chamados influencers? Ou blogger influencers? Se não, é muito possível que uma conversa com o público jovem – seus filhos e filhas inclusive – desvende esse fenômeno da era da internet.

O que são influencers?

Influencers são pessoas que utilizam seus perfis em redes sociais para atingir um número cada vez maior de seguidores. A rede social mais utilizada por eles é o Youtube – e, nesse caso, são chamados de YouTubers -, mas rapidamente avançam por redes como o Instagram e o Facebook. E até chegaram aos blogs!

Mais do que se tornarem pessoas extremamente populares no meio online – algumas tornando-se atores e atrizes ou cantores(as) do mundo pop – essas celebridades utilizam o impacto de suas opiniões para influenciarem o comportamento de outras pessoas.

As empresas que estão sempre antenadas nas novas tendências de comunicação não perderam a chance de aproveitar a onda. Surge, então, uma nova forma de marketing. O apelo de alguém que você conhece (mesmo que apenas virtualmente) e gosta é a melhor forma de convencimento para compra de produtos.

Por isso, é muito comum que produzam conteúdos patrocinados. Eles são pagos para falar de produtos e, muitas vezes, costumam receber experiências na esperança empresarial de que decidam falar sobre o que ganharam.

Não é incomum uma youtuber de moda ganhar roupas, por exemplo. Ou um blogueiro especialista em games receber os lançamentos em casa para publicar a experiência do jogo. Ou até mesmo uma criança que se torna digital influencer e poderá ser abordada por empresas de brinquedos, jogos e até parques temáticos.

Mas é isso mesmo? Crianças influencers?

digital influencers

Sim, os chamados mini-influencers utilizam canais no YouTube, Instagram e outras redes sociais para conseguirem um número exorbitante de fãs. Quem consegue trabalhar bem o carisma e produzir conteúdo legal – muitas vezes com a ajuda de pais e irmãos que atuam na produção – é abordado(a) por empresas, promove encontros com os fãs e se torna uma verdadeira celebridade. Alguns inclusive lançam seus próprios livros!

Um conteúdo divulgado na Folha de São Paulo informa que quase metade da produção de YouTubers no Brasil produz conteúdo voltado para crianças de até 12 anos, gerando mais de 50 bilhões de visualizações. Mesmo que nem todo ele seja feito por crianças, o número de influencers-mirins é exorbitante.

Gian Tancredo é um menino de 12 anos com mais de 80 milhões de inscritos em seu canal do YouTube. Ele viralizou em um episódio em que se vestia com roupas com o valor de R$ 39 mil reais.

Isaac do Vine tem milhões de inscritos em seu canal, mesmo tendo apenas 8 anos de idade, e vai estrear uma série do Multishow. Dudinha Yamazki causa inveja até em adultos com os 70 mil seguidores em seu Instagram, no qual posta fotos com looks descolados.

Pense em um assunto qualquer: provavelmente terá um influenciador falando sobre ele.

garotinho fazendo dinheiro

Essa fama toda não atrapalha o desenvolvimento das crianças?

Vamos ser honestos, influencers mirins podem ajudar a criar toda uma renda para a família e aproveitar uma infância cheia de regalias. Mas, sem dúvida, precisam ser preparados desde cedo para as consequências da fama.

É preciso muita atenção dos pais e responsáveis para que problemas no desenvolvimento educacional e na privacidade das crianças não ocorram. Quanto mais expostos estamos, mais vulneráveis ficamos. Isso não precisa ser ruim: depende de que tipo de informação estamos divulgando.

Falando para a Revista Trip, a psicóloga Ana Flávia Fernandes comentou que essas crianças sofrem com a pressão de viver uma personagem capaz de agradar familiares, amigos e milhões de seguidores, podendo gerar quadros de ansiedade e depressão.

O problema de crianças e adolescentes que idolatram outros ícones foi abordado, inclusive, no último episódio da quinta temporada de Black Mirror, no qual Miley Cirus (uma grande diva do mundo juvenil) vive um papel em que sofre de uma escalada depressiva causada pela fama.

O lado positivo de ser influencer é promover o bem!

É claro que não precisa ser assim, como no episódio de Black Mirror, e aquele é um cenário pessimista. Existem relatos de YouTubers mirins, entre 9 e 14 anos, que superaram quadros de depressão e de bullying por meio de suas carreiras on-line, inspirando outros jovens e mandando mensagens positivas. É nesses exemplos que devemos nos apoiar e inspirar.

Pais e mães dedicados às carreiras de seus filhos não buscam apenas avaliar o sucesso profissional e financeiro dos pequenos, mas estão a todo o tempo checando as interações e identificando comportamentos abusivos de seguidores duvidosos

E não é para menos, tanta exposição pode transformar a jornada das crianças em uma aventura que exige o acompanhamento e a responsabilidade de quem tem experiência. Inclusive para lidar com toda a área do direito digital que pode ser envolvida.

O cuidado precisa ir além da audiência. Pais devem considerar a relação de seus filhos com as possíveis empresas interessadas em praticar marketing indireto.

Segundo especialistas, algumas exigências legais devem ser tomadas no caso dos influencers, como deixar clara a natureza publicitária de conteúdos patrocinados, regulações trabalhistas e tributárias.

influenciador com presentes

Qual o efeito dos influencers nas crianças?

Estudos recentes indicam que 38% das crianças de famílias questionadas tinham seus próprios gadgets de uso pessoal, uma estatística que vem crescendo vertiginosamente. Assim, não é estranho que tanto influencers-mirins quanto adultos com conteúdo infanto-juvenil conquistem cada vez mais atenção.

A influência de uma figura popular pode se dar de diversas formas, positivas ou negativas. Muitas crianças assumem uma distinção clara entre o que é mera programação do que é entretenimento da vida real.

Mas existem também efeitos negativos. Um deles é o impulsionamento de um desejo consumista nas crianças, que podem começar a querer as mesmas roupas e brinquedos que possuem YouTubers e usuários do Instagram. No Reino Unido, existem relatos de crianças que deixam de se interessar por seus hobbies para assistirem seus ídolos influencers praticando as mesmas atividades.

O efeito mais comum dos influencers é, justamente, a influência que podem ter no comportamento das crianças. Muitas podem começar a querer imitar os trejeitos, falas e modos de seus ídolos da Internet, o que pode gerar conflitos quanto à educação dada em casa.

É por isso que os pais devem estar sempre alertas para o tempo despendido pelas crianças na tela de seus aparelhos. E mais importante: manterem-se atentos e participativos quanto ao conteúdo que consomem e produzem. Apesar desse tipo de situação, a codeBuddy acredita que a tecnologia pode ser uma grande aliada da educação.

Por isso, buscamos oferecer opções de cursos tecnológicos capazes de aumentar a consciência do uso e criação no mundo digitalizado. Conheça nossos cursos!

 Ler mais

Deuses antigos versus novas mídias: o melhor dos dois mundos

Neil Gaiman é um autor britânico nascido em 1960. Conhecido mundialmente por seus brilhantes trabalhos, que variam entre histórias em quadrinhos (como “Sandman”) a livros que entraram a lista de mais vendidos do The New York Times (como “Deuses Americanos”), ele inevitavelmente seria tópico de artigo para o nosso blog.

Afinal, suas parcerias com outros autores renomados resultou em obras que merecem um segundo olhar. Hoje, em especial, focaremos na guerra travada entre deuses antigos e as novas mídias.

Parece meio improvável para você? Para a maioria das pessoas também. Apaixonado por mitologia nórdica, Neil Gaiman escreveu um romance adulto que retratou uma dualidade que encontramos até hoje no nosso dia a dia. Crença versus realidade. Inovação versos tradição.

Lançado no Brasil pela Intrínseca, em 2016, ele debate uma vida na qual likes falam mais que quem de fato somos. Vocês já se perguntaram se tamanho acesso à informação de fato poderia ser bom? Eu, particularmente, sim. E as respostas não poderiam ser mais diferentes e contraditórias.

Por isso, trago uma proposta para vocês: entender como tradição e inovação podem conviver em um mundo que, ao contrário do universo do livro, não precisa entrar em guerra para decidir um lado. Optemos por ambos na construção de um futuro melhor. Topam?

deuses antigos versus novas mídias

Uma história inesquecível

Era uma vez um pai apaixonado por música. Bach, Haendel, Beethoven e Mozart soavam tão singulares em seus instrumentos que, para o pai, não existia outra possibilidade que não repassar essa tradição para o filho.

Piano mecânico e discos de vinil faziam parte da tradição, um momento no qual, juntos, pai e filho reconstruíam os tempos de glória de compositores inesquecíveis. O timing para que cada nota fosse tocada era preciso, levando o filho a uma imitação quase perfeita de tais composições.

Quando a música encerrava, entretanto, ele corria para o sofá, pegava seu console e jogava incessantemente Pong. Mais tarde, seu tempo seria aproveitado em companhia do Space Invaders, Pac-Man e Tetris.

O apreço por tecnologia já estava no filho que, jovem adulto, criou seu primeiro software. A tecnologia utilizada conseguia captar o que tornava cada música favorita do pai única e, então, criar uma sequência inteiramente nova, digital e tão perfeita que acalentava os ouvidos do pai.

Sem dúvida, a tecnologia desenvolvida não substituía a criação original — até porque precisava dela para existir. Entretanto, inovava e trazia novas possibilidades para algo que, até então, tinha ficado na história.

deuses antigos versus novas mídias 2

A criação de novas mídias para o bem

O primeiro ponto que precisamos abordar é o fato de que usar a tecnologia para o bem é uma opção. É uma escolha pautada em quem a pessoa é e quais são seus objetivos, tendo sido eles determinados por exemplos obtidos na infância ou por motivações pessoais.

O segundo ponto, é que qualquer tecnologia surge como forma de resolver um problema. Estima-se que o primeiro computador eletromecânico tenha sido criado por Alan Turing no século XIX. Em plena Segunda Guerra Mundial, era necessário decifrar códigos alemães de forma rápida e ágil, prevendo suas ações e se preparando para possíveis ataques.

Em resumo, o computador de Turing precisava realizar infinitas contas em um espaço curto de tempo, o que seria inviável para o ser humano. Seu objetivo era salvar milhões de vidas e terminar com uma guerra que, diga-se de passagem, os Aliados estavam perdendo.

Assim como ele, aplicativos são diariamente criados para resolver problemas e facilitar o dia a dia — a mesma função que cria novas mídias. Isso faz parte e é consequência de um mundo globalizado, habitado por pessoas que têm desejos, vontades, problemas e querem soluções.

Pessoas que não abrem mãos de suas histórias e crenças, sejam estas quais forem, porque são esses aspectos que as formam como indivíduos. Apagar isso seria nada menos que apagar a si mesmo, uma lógica que não faz nenhum sentido.

Chegou o momento de entendermos que a tecnologia não precisa (nem deve) desestruturar o que foi construído ao longo de anos, mas complementar. Podemos ser mulheres empreendedoras, podemos ser jovens cientistas, podemos fazer a diferença.

Podemos, acima de tudo, nos unir e fazer isso juntos. Exatamente o que nós, da codeBuddy, acreditamos e repassamos aos nossos alunos. Queremos torná-los aptos para entender o mundo ao seu redor e se tornarem solucionadores. E fazemos isso por meio do que revolucionou a música na história contada anteriormente: por meio da tecnologia.


Banner 10 dicas para pais de adolescentes
 Ler mais

Profissões do futuro: a tecnologia vai acabar com os empregos?

Todo mundo precisa cuidar de sua vida financeira, não é? É por isso que um dos maiores receios de qualquer família é o desemprego. Afinal, como fazer as compras, pagar as contas ou cuidar dos filhos?

No meio de problemas políticos e sociais, a tecnologia também aparece como um fator decisivo na constituição do mercado de trabalho. As chamadas “profissões do futuro” são constantes tópicos para debate. E tem mesmo que ser…

A imersão da nossa sociedade no desenvolvimento tecnológico aciona novas possibilidades ao mesmo tempo que amplia incertezas quanto ao mercado de trabalho do futuro. O maior risco é a tendência para uma automatização de funções cada vez mais profunda que, até o momento, exigem a expertise humana para ocorrer.

O cenário pode lembrar os filmes e séries de ficção científica, com robôs que atendem clientes e respondem mensagens nas redes sociais (quem nunca ouviu falar de Black Mirror, não é mesmo?), além de sistemas de inteligência artificial que arriscam nos compreender melhor do que nós mesmos.

Mas, afinal, a tecnologia vai acabar com os empregos? Para responder essa questão, elaboramos algumas reflexões a respeito das carreiras do futuro. Vamos embarcar juntos nessa máquina do tempo não tão distópica?

Profissões do futuro: a tecnologia vai acabar com os empregos?

Principais mudanças tecnológicas

Mudanças tecnológicas específicas podem ocasionar verdadeiras revoluções na maneira como as pessoas trabalham. Isso ocorreu em toda a história da humanidade, com a invenção da máquina a vapor, do carro, do telefone… E ainda hoje estamos descobrindo os efeitos da invenção da internet na atividade humana.

Algumas inovações tecnológicas são especialmente importantes na mudança do mundo do trabalho e ditam as novas regras das profissões em alta. São algumas delas:

  • Machine Learning

Também conhecido como “aprendizado da máquina”, nada mais é que a tendência por trás da inteligência artificial cada vez mais sofisticada. Ela é reforçada por empresas gigantes como o Google, que inclusive anunciou recentemente maior investimento e confiança na área.

Nesses sistemas, a máquina é capaz de aprender a partir da interação com um conjunto gigantesco de dados de usuários humanos. Ou seja, a cada vez que buscamos algo no google, mandamos e-mail ou entregamos nossa localização pelo celular, estamos alimentando o aprendizado da máquina.

  • Automação

A automação industrial mudou a paisagem das empresas ao substituir os humanos por robôs quando a atividade é repetitiva, como apertar parafusos. No entanto, a automação que falamos hoje ultrapassa essa limitação.

Ela pode realizar trabalhos de secretariado, como atendimento e registro de ligações, ou podem dirigir um carro sem precisar de um motorista. Já ouviu falar dos carros autodirigidos, certo? Essas mudanças prometem transformar a paisagem dos motoboys, taxistas, entregadores e motoristas em geral. Quem sabe, até tornar o mundo um pouco mais sustentável.

  • Mercado de trabalho global

O surgimento dos smartphones e a democratização da banda larga aceleraram muito o processo de globalização: estamos mais unidos do que nunca. E isso, naturalmente, quebra barreiras para as carreiras do futuro, especialmente porque não precisamos estar em determinados lugares físicos para desempenharmos nossas funções.

O home office é uma promessa não só pela praticidade, mas porque permite que uma empresa norte-americana contrate um brasileiro para ser seu colaborador. Já imaginou essa dinâmica a nível global?

Profissões do futuro: a tecnologia vai acabar com os empregos?

Como se manter atualizado para garantir trabalhos no futuro?

Um dos motes do gênero ficção científica é a expressão “o futuro é agora”. Na verdade, já vivemos em um mundo futurista. Ou você não acha um pouco simbólico que milhões de pessoas andem por aí justamente com androids em seus bolsos?

Então, se quiser evitar a obsolescência no futuro, o primeiro passo é começar a se atualizar agora mesmo. As tendências que apontamos na seção anterior já estão ocorrendo e não dão sinais de diminuição nos próximos anos — muito pelo contrário.

Mas sem desespero, tudo bem? Podemos afirmar: os empregos não vão acabar. Entretanto, as habilidades desejadas vão se alterar, apontando para exigências cada vez mais diferentes aos profissionais.

Segundo o relatório da agência Mckinsey, até 2030 o mercado de trabalho irá almejar profissionais com habilidades tecnológicas, sociais e emocionais. Ao mesmo tempo, trabalhos manuais e que exijam habilidades físicas irão decrescer, em uma transição para mecanismos automatizados.

Habilidades tecnológicas

Aprender a lidar com a tecnologia já é, hoje em dia, um grande diferencial no mercado de trabalho. Notícias recentes demonstram que mesmo em um país com grande número de desempregados, o setor tecnológico possui uma grande quantidade de vagas não preenchidas.

A mesma reportagem informa que, em apenas em dois meses, mais de duas mil empresas no setor de tecnologia foram criadas no Brasil em 2019. E este boom está longe de acabar: inclinado para a criação de startups e micro empresas que buscam preencher lacunas deixadas pelas gigantes da área.

O que essas empresas buscam são funcionários com capacidade de lidar com problemas e com competência técnica para trabalhar com sistemas de rede, bancos de dados, programação de software e apps para celulares (the future is mobile, o futuro é mobile).

  • Programação

Conhecer a programação de computadores pode se tornar uma habilidade necessária mesmo para quem não trabalha diretamente com o setor de tecnologia. Isso porque ela se tornará uma espécie de linguagem essencial para a compreensão do mundo conectado.

Enquanto muitos empregos podem acabar com a emergência da inteligência artificial, as profissões do futuro pedem o mínimo entendimento da linguagem de programação. Não é para menos que o interesse na área vem se expandindo ao longo dos últimos anos.

Nós, da codeBuddy, acreditamos que o ensino de programação pode contribuir para o raciocínio lógico, e pode ser trabalhado desde cedo, gerando uma relação mais consciente de jovens e crianças com seus gadgets.

Profissões do futuro: a tecnologia vai acabar com os empregos?

Habilidades socioemocionais

Se por um lado devemos aprender a lidar com as máquinas e com a tecnologia smart que abunda em nosso mundo, por outro lado, é justamente nossa humanidade que nos torna únicos. Soa cliché, mas é a verdade.

Por isso que habilidades sociais e emocionais serão importantíssimas no futuro, mais do que já são agora. Expressões como inteligência emocional não podem mais soar estranhas aos nossos ouvidos.

Inclusive, setores como o da Medicina terão grandes mudanças, especialmente em relação ao atendimento, agendamento de consultas, interação com clientes e arquivamento de exames e prontuários. A era de quilos de papel nunca esteve tão perto de acabar.

No entanto, a demanda por enfermeiros(as) e profissionais de saúde, bem como de psicólogos e cuidadores de idosos, tende ao crescimento. São atividades que necessitam da presença humana e dificilmente podem ser realizadas por robôs ou sistemas artificiais.

Não pense, todavia, que o destino do seu filho está necessariamente em uma dessas profissões. Se ele assim desejar, ótimo. Caso contrário: jamais esqueça que, por trás de uma máquina, existe a criatividade de um humano que pensa fora da caixa.

Por fim, qualidades como boa escrita, criatividade e talentos artísticos se tornarão mais valorizadas nas profissões do futuro graças à especificidade humana exigida para que sejam bem executadas. Novamente, estamos falando de criatividade.


Banner 10 dicas para pais de adolescentes
 Ler mais

Adolescentes que estão criando aplicativos para melhorar o mundo

I hurried into 300-208 dumps the local department store to grab1 some last minute Chirsmas gifts. I looked at all the 210-260 PDF people and grumbled2 to 210-260 PDF myself. I would be in here forever and I just had so much Prepexamwell to do. Chirsmas was beginning to become such a drag. I kinda wished that I could just sleep through Chirsmas. But I hurried the best I could through all the people to the toy department. Once again I kind of mumbled3 to 300-208 pdf myself at the prices of all these toys, and wondered 300-208 exam questions 300-208 pdf if the grandkids would Prepexamwell even Prepexamwell play Prepexamwell whit4 them. I found myself in the doll aisle5. Out of the 300-208 dumps corner of Microsoft 70-533 Dumps my eye 300-208 pdf I saw a little Prepexamwell boy about 5 holding a lovely doll.He kept touching6 her hair and he held her Prepexamwell so Microsoft 70-533 Dumps gently. I Learningpdf could not seem Prepexamwell to 300-208 vce help myself. I just kept loking Learningpdf 210-260 PDF over at the 300-208 vce little boy and wondered who the doll Prepexamwell 300-208 pdf 300-208 exam questions was for. I watched him turn to a woman and he called his aunt by name Microsoft 70-533 Dumps and said, “Are you 300-208 pdf sure Microsoft 70-533 Dumps I don’t have Learningpdf enough money?” Microsoft 70-533 Dumps She replied a 300-208 dumps bit impatiently, “You know that you don’t have enough money Microsoft 70-533 Dumps 300-208 dumps for 300-208 dumps it.” The aunt told the little boy not to go anywhere that she 300-208 exam questions had to 300-208 vce go and get some other things and would be back in a few 210-260 PDF 300-208 exam questions minutes. Learningpdf And then she Microsoft 70-533 Dumps left 210-260 PDF the aisle. The boy continued to hold 300-208 pdf the doll. After a bit I asked the boy who the doll was for. He said, “It is the doll my sister wanted so badly for Chirsmas. She just knew that Prepexamwell Santa would bring Microsoft 70-533 Dumps it. “I told him that maybe Santa was going to bring it 300-208 dumps . He said, 300-208 exam questions “No, Santa can’t go where my sister Learningpdf is…. I have to give the doll to my Mama to take to her. “I asked him where his siter was. He looked at me with the saddest eyes and Prepexamwell said, “She was gone to be with Jesus. 210-260 PDF

My 300-208 exam questions Daddy says that Mamma Microsoft 70-533 Dumps 300-208 pdf is going to 210-260 PDF have to go be with her.” My heart nearly stopped beating. Then 300-208 dumps the boy 210-260 PDF looked at me again 300-208 vce and said, “I told my Daddy to tell my Mama not to go yet. 300-208 pdf I told him to tell her to wait Microsoft 70-533 Dumps till I 300-208 vce got back from the store.” Then he asked 300-208 exam questions me if i wanted to see his picture. 300-208 vce I 300-208 vce told him I’d love to. He pulled out some picture he’d had taken at 300-208 pdf 300-208 exam questions the Learningpdf front of the 300-208 pdf store. He said, “I 300-208 vce Learningpdf want my Mama to take this with her so the Learningpdf dosen’t ever forget me. 300-208 exam questions I love my Mama 300-208 pdf so very much Learningpdf and 210-260 PDF Learningpdf I wish she dind not have to leave me.But Daddy says 300-208 dumps she will need to be with my Prepexamwell 300-208 vce sister.” I Microsoft 70-533 Dumps saw that 300-208 vce the little boy had lowered his head and had grown so qiuet. While he was not looking I reached 210-260 PDF into my purse and pilled out Learningpdf a handful 210-260 PDF of bills. I Microsoft 70-533 Dumps asked the little boy, “Shall we count that miney one 210-260 PDF more time?” He grew excited and said, “Yes,I just know 300-208 vce it has to Learningpdf 300-208 dumps be enough.” Microsoft 70-533 Dumps So I slipped my money Prepexamwell in with Microsoft 70-533 Dumps his and 300-208 vce we 300-208 exam questions began to 300-208 exam questions count it . Microsoft 70-533 Dumps Of course it was 300-208 exam questions plenty for the Prepexamwell doll. He softly said, “Thank you Jesus for giving me enough 300-208 exam questions money.” Then the boy said, “I just asked Jesus to give me enough Learningpdf money to buy 300-208 dumps this doll so 300-208 vce Mama can take 300-208 exam questions it with her to give my sister. And he heard my prayer. I wanted to ask 300-208 dumps him give for enough to buy my Mama a white rose, but 300-208 pdf I didn’t ask him, 300-208 dumps but Microsoft 70-533 Dumps he gave me enough to 300-208 dumps buy the doll and Prepexamwell a rose for my Mama. She loves white rose so much. “In a few minutes the aunt came back and I wheeled my cart Learningpdf away. I could not keep 210-260 PDF from thinking about the little boy as I finished my shoppong in a ttally different spirit than 300-208 vce 300-208 exam questions when I 300-208 pdf had started. And 210-260 PDF Prepexamwell I kept remembering a Learningpdf story I 210-260 PDF had seen in the newspaper several days earlier about a drunk driver hitting a car and killing7 a little girl and the Mother was in serious condition. The family was deciding on whether to remove the life support. Now surely this little Learningpdf 210-260 PDF boy did not belong with that story.Two days later I read in the paper where Prepexamwell the family had disconnected the life support and 300-208 pdf the young woman had died. I could not forget 300-208 exam questions the little boy 300-208 dumps 300-208 dumps and just kept wondering if the two were 300-208 vce somehow connected. 300-208 vce Later that day, I could not help myself and I went out and bought aome white roses and took them to the funeral home where the yough woman was 300-208 dumps .And there she was holding a lovely white rose, the beautiful doll, and the picture of the little boy in the 300-208 pdf store. I left there in tears, thier life changed 300-208 pdf forever. The love that little boy had for his little sisiter and his mother was overwhel. And in a split8 second a drunk driver had ripped9 the life of that little boy to pieces.

Adolescentes que estão criando aplicativos

Muitas vezes adolescentes são encorajados a ver esse período da vida com um preparo para o que farão no futuro. São como protótipos, criando habilidades e entendendo como aproveitar seus potenciais rumo ao mundo do trabalho — e eles estão transformando sua realidade criando aplicativos para melhorar o mundo.

De fato, a adolescência é uma fase importante no desenvolvimento da pessoa, um período de descobertas, essencial para o futuro. No entanto, o mundo de desenvolvimento tecnológico tem aberto as portas para adolescentes de todas as partes do globo que podem criar soluções capazes de mudar o planeta já em sua juventude.

Não são poucos os apps revolucionários criados por jovens capazes de entender os problemas do mundo com novos olhos. Adolescentes podem ser muito observadores(as), destemidos(as) e experimentais em suas incursões no desenvolvimento tecnológico.

É por isso que nós da codeBuddy chegamos à conclusão de que é essencial incentivar o aprendizado da tecnologia desde cedo. Afinal, grandes inovações podem estar espalhadas por aí, apenas esperando uma inspiração no momento certo para libertar seu potencial.

Pensando nisso, separamos alguns apps incríveis criados por adolescentes do mundo todo. Confira abaixo!

Adolescentes que estão criando aplicativos para melhorar o mundo

4 Snaps

A maioria dos jovens adora jogos, correto? Esse também era o caso de Michael Sayman, um jovem que com apenas 17 anos criou o app 4 Snaps. O sistema do seu jogo transformava fotos que as pessoas tiravam em uma palavra, e que outros jogadores têm que adivinhar.

O app viralizou e Michael foi procurado pelo Facebook, chegando a conhecer Mark Zuckerberg pessoalmente. Michael começou a aprender programação aos 12 anos de idade, demonstrando que não existe faixa etária para a criação!

Com o app, Michael pôde ajudar sua família na crise financeira de 2012.

Bubble Ball e outros jogos

Bubble Ball

Continuando na onda dos jogos, temos o Bubble Ball, criado por Robert Nay quando ele tinha apenas 14 anos!
Um jogo altamente divertido, Bubble Ball teve mais de 2 milhões de downloads, rivalizando
com o Angry Birds. O jogo consiste em fazer uma bola azul chegar ao último nível, usando a gravidade e itens.

Adolescentes que estão criando aplicativos para melhorar o mundo

Cloud4Cancer

Não é a toa que na codeBuddy gostamos de incentivar a presença das meninas nas aulas de programação e robótica. Elas estão ligadas historicamente à inovação e criação de soluções revolucionárias. Veja o caso de Brittany Wenger. Com apenas 19 anos ela criou um app médico histórico, capaz de ajudar no diagnóstico de câncer de mama. Brittany se inspirou no diagnóstico de uma prima e começou a pesquisar e desenvolver o app.

Por conta de sua invenção, ela ganhou a feira de ciências do Google em 2012! O site oficial, onde é possível fazer o exame (em inglês), pode ser acessado neste link.

Finish

Finish

Você já teve problemas com procrastinação? Aquela tendência a deixar para depois o que se pode fazer agora?

Muitos estudantes sofrem desse mal na hora de encarar estudos e tarefas diárias. É por isso que Ryan Orbuch e Michael Hansen, dois jovens de 16 anos, criaram um app chamado Finish. A ideia surgiu justamente no período de provas, quando procuravam um modo de manter tudo em dia para obterem bons resultados.

O app considera que o “tempo é um conceito elástico”, e você pode criar tarefas de diferentes pesos, hierarquizando suas atividades e medindo o tempo utilizado para cada uma.

Não é incrível que dois jovens de 16 anos utilizem a relatividade do tempo para agilizar nossas vidas? Não é a toa que no mês de lançamento o app contou com 16.500 downloads.

Adolescentes que estão criando aplicativos para melhorar o mundo

Summly

Nick D’Aloisio criou um sistema capaz de sumariar as principais notícias de sites ao redor do mundo, gerando uma interface que facilita a leitura em celulares. Com seu app, o jovem de 16 anos conseguiu financiamento de um bilionário de Hong Kong e de celebridades, como Ashton Kutcher e Yoko Ono.

Depois de um fenômeno de downloads (mais de um milhão), sua empresa foi comprada pela Yahoo por 30 milhões de dólares. Além disso, Nick se tornou um funcionário da empresa assim que completou seus 18 anos.

EZ School Bus Locator

Ez School Bus Locator

Arjun Kumar, um menino indiano com apenas 14 anos, já pensava em como resolver problemas sociais importantes. Ele ganhou um concurso de invenção do MIT em 2012, após criar um app que permite que os pais verifiquem como anda a viagem de seus filhos nos ônibus escolares. Os pais podem verificar se seus filhos estão no ônibus, onde está o veículo e o tempo necessário para chegar em casa.

Arjun, depois do sucesso de sua primeira ideia, ainda criou um app dedicado a melhorar a segurança de mulheres e garotas. Definitivamente, é um menino que tem grandes ideias para ajudar nos problemas sociais!

Adolescentes que estão criando aplicativos para melhorar o mundo

Apps feitos por jovens brasileiros

No Brasil, os adolescentes também têm criado grandes apps capazes de mudar a forma como lidamos com problemas cotidianos. Uma das maiores iniciativas para alimentar esse interesse é uma maratona de criação de apps, criada por uma faculdade de tecnologia em São Paulo.

Em 2014, foram mais de 1.600 inscrições — majoritariamente de jovens de ensino médio espalhados pelo país.

O grupo vencedor desse ano foi formado por jovens de diferentes lugares do Brasil, que se conheceram no Facebook por conta de interesses em comum na área de informática. Taí um bom exemplo de como a internet pode contribuir para o desenvolvimento de habilidades importantes em crianças e adolescentes.

O app vencedor foi Teacch.Me, criado para ajudar no ensino de crianças com autismo. Outros apps que ranquearam no top 10 pretendiam ajudar crianças no aprendizado de matemática, ensinar valores de cidadania com jogos, além de games e programas educativos.

Como podemos ver, o interesse dos jovens por tecnologia pode ser acompanhado pelo desejo de criar soluções para problemas mundiais, que fazem a humanidade sofrer em seus conflitos diários.

E você? Se interessou em ingressar no mundo da inovação tecnológica? Conheça as soluções da codeBuddy e crie aplicativos para melhorar o mundo!


Banner 10 dicas para pais de adolescentes

 Ler mais

Mulheres na tecnologia e no empreendedorismo: um destaque e tanto

Mulheres na tecnologia e no empreendedorismo: um destaque e tanto

Não é novidade que milhares de mulheres ocupam cargos importantes e essenciais para o desenvolvimento de nossas sociedades. Muitas mulheres, mesmo sendo mães no século XXI, lidando com suas carreiras e famílias ao mesmo tempo, conseguem criar soluções inovadoras e transpor os limites de um mundo ainda dominado pela presença masculina.

De certo, não existe sombra de dúvida a respeito da importância das mulheres no empreendedorismo e na tecnologia. Ainda assim, o mercado de trabalho — especialmente o de tecnologia — se mostra desigual, privilegiando homens.

Muitas meninas podem perder o interesse em investir nesses assuntos por conta da imagem fixada de que esses mundos são dominados por homens. É por isso que representatividade importa.

Além disso, a partir do momento em que a história das mulheres é reconhecida, com seus feitos trazidos à tona, outras mulheres se inspiram e se tornam protagonistas das próprias vidas, procurando ocupar lugares em qualquer área que seja de seu interesse.

A codeBuddy acredita e incentiva a presença feminina na tecnologia. Por isso, preparamos essa lista com algumas das mulheres que fizeram e fazem história, construindo o mundo em que vivemos. Vamos lá?

Mulheres na tecnologia e no empreendedorismo: um destaque e tanto

As mulheres programadoras do ENIAC

No início do século XX, o mundo da inovação tecnológica computacional estava diretamente ligado aos militares estadunidenses. Assim, foi criado o ENIAC — um computador enorme e que ainda utilizava sistemas analógicos para realizar cálculos. O intuito do ENIAC era ajudar o exército a calcular rotas de mísseis.

Nesse período ainda não existiam faculdades de Ciência da Computação e, portanto, não havia quem atuasse na programação da máquina. A atividade vista como entediante foi dada às mulheres matemáticas, que se tornaram as primeiras programadoras a efetivamente trabalharem em um computador funcional.

Ou seja, ainda nos anos 40 as mulheres estavam envolvidas nos primeiros passos do desenvolvimento da linguagem da programação. E há quem diga que tecnologia não é lugar delas!

Mulheres na tecnologia e no empreendedorismo: um destaque e tanto

Annie Easley, responsável pela criação das baterias de carros híbridos

Annie era uma das quatro mulheres negras empregadas em um laboratório da agência americana que viria a se tornar a NASA. Nesse período, muitas mulheres trabalhavam como “computadores humanos”, pois eram responsáveis por fazer pilhas de cálculos e dar sentido a dados brutos.

Annie, posteriormente, se tornou uma programadora e trabalhou com sistemas de energia. Ela acabou criando a bateria utilizada nos carros híbridos, muito famosos hoje em dia. Annie também é uma grande incentivadora da presença feminina no ramo da tecnologia.

Mulheres na tecnologia e no empreendedorismo: um destaque e tanto

Jasmine Anteunis, empreendedora de robótica

As mulheres fizeram história no início da computação e continuam fazendo nos dias de hoje, liderando e criando soluções em áreas de ponta, como a robótica e a inteligência artificial.

Jasmine Anteunis é uma francesa de apenas 27 anos que fundou uma start-up líder na criação dos famosos chatbots — robôs que atendem ao público — a Recast.AI. A empresa foi comprada pela gigante multinacional SAP e continua atendendo a grandes nomes do setor de telecomunicações.

Mulheres na tecnologia e no empreendedorismo: um destaque e tanto

Adele Goldberg, a mulher por trás da criação do primeiro computador da Apple

Adele Goldberg trabalhou na Xerox em 1970, na criação de uma linguagem de programação chamada Smaltalk-80, utilizada para criar o sistema de janelas sobrepostas uma sobre as outras. Isso soa familiar para você?

Adele foi parte do desenvolvimento da infraestrutura desses modelos chamados de “Graphical User Interface” (GUI). Ou seja, seu sistema permitia aos usuários interagirem com o computador por meio de uma interface gráfica, sem precisar avançar por códigos complexos.

O sistema foi apresentado a Steve Jobs nessa época, que mais tarde confirmou que o desenvolvimento da tecnologia GUI inspirou o que viria a ser a Apple.

Mulheres na tecnologia e no empreendedorismo: um destaque e tanto

Ursula Burns, CEO da Xerox

Com bacharel em Engenharia Mecânica, Ursula Burns é conhecida como a primeira mulher negra a liderar uma empresa do porte da Xerox nos EUA. Ela trabalhou na corporação desde 1980, quando era estagiária.

Outra curiosidade a respeito da vida de Ursula é que ela chegou a ser nomeada por Barack Obama como vice-presidente do Conselho de Exportação, no governo do ex-presidente estadunidense.

Karen Jones

Karen Spärck Jones, idealizadora de tecnologias de sistemas de busca

Se hoje em dia as pessoas buscam informações com grande facilidade no Google, é devido a tecnologias inventadas por Karen Spärck Jones.

Essa cientista da computação trabalhava na Universidade de Cambridge e criou sistemas como banco de palavras no processamento de linguagens, permitindo que o computador reconhecesse palavras similares umas às outras. Além disso, criou um sistema capaz de encontrar termos relevantes em uma busca.

Sem essas tecnologias, o Google não teria a mesma eficácia que tem hoje.

Radia Perlman

Radia Perlman, a “mãe” da internet

Radia Perlman é uma cientista da computação formada no MIT, nos EUA. Ela foi responsável pela criação do chamado protocolo Spanning Tree, ou STP, uma linguagem capaz de conectar dois computadores

Sem essa tecnologia a internet não seria possível, nem o sistema de se acessar diversos sites armazenados em servidores espalhados pelo mundo. Radia é também uma ávida defensora do aumento do número de mulheres na tecnologia.

Susan Wojcicki

Susan Wojcicki, CEO do YouTube

Considerada uma das mulheres mais poderosas do mundo pela Forbes, Susan foi gerente de Marketing do Google e trabalhou em empresas como a Intel.

Ela foi uma das responsáveis no aconselhamento para que o Google comprasse o YouTube e ajudou a desenvolver plataformas como o Google Imagens. Sua fortuna é de aproximadamente 26 bilhões de dólares, uma herança e tanto para os seus cinco filhos.

Como você pode ver, a história das mulheres no mundo da tecnologia, empreendedorismo e inovação é vasta e antiga. Esses são apenas alguns exemplos da grande influência dessas profissionais na inovação e na construção de nosso mundo tecnológico.

Sua filha se interessa por tecnologia? Conheça os cursos da codeBuddy e incentive-a a buscar um futuro brilhante!


Banner ebook

 Ler mais

Mulheres na Tecnologia: Inovação e Mercado de trabalho

I hurried into 300-208 dumps the local department store to grab1 some last minute Chirsmas gifts. I looked at all the 210-260 PDF people and grumbled2 to 210-260 PDF myself. I would be in here forever and I just had so much Prepexamwell to do. Chirsmas was beginning to become such a drag. I kinda wished that I could just sleep through Chirsmas. But I hurried the best I could through all the people to the toy department. Once again I kind of mumbled3 to 300-208 pdf myself at the prices of all these toys, and wondered 300-208 exam questions 300-208 pdf if the grandkids would Prepexamwell even Prepexamwell play Prepexamwell whit4 them. I found myself in the doll aisle5. Out of the 300-208 dumps corner of Microsoft 70-533 Dumps my eye 300-208 pdf I saw a little Prepexamwell boy about 5 holding a lovely doll.He kept touching6 her hair and he held her Prepexamwell so Microsoft 70-533 Dumps gently. I Learningpdf could not seem Prepexamwell to 300-208 vce help myself. I just kept loking Learningpdf 210-260 PDF over at the 300-208 vce little boy and wondered who the doll Prepexamwell 300-208 pdf 300-208 exam questions was for. I watched him turn to a woman and he called his aunt by name Microsoft 70-533 Dumps and said, “Are you 300-208 pdf sure Microsoft 70-533 Dumps I don’t have Learningpdf enough money?” Microsoft 70-533 Dumps She replied a 300-208 dumps bit impatiently, “You know that you don’t have enough money Microsoft 70-533 Dumps 300-208 dumps for 300-208 dumps it.” The aunt told the little boy not to go anywhere that she 300-208 exam questions had to 300-208 vce go and get some other things and would be back in a few 210-260 PDF 300-208 exam questions minutes. Learningpdf And then she Microsoft 70-533 Dumps left 210-260 PDF the aisle. The boy continued to hold 300-208 pdf the doll. After a bit I asked the boy who the doll was for. He said, “It is the doll my sister wanted so badly for Chirsmas. She just knew that Prepexamwell Santa would bring Microsoft 70-533 Dumps it. “I told him that maybe Santa was going to bring it 300-208 dumps . He said, 300-208 exam questions “No, Santa can’t go where my sister Learningpdf is…. I have to give the doll to my Mama to take to her. “I asked him where his siter was. He looked at me with the saddest eyes and Prepexamwell said, “She was gone to be with Jesus. 210-260 PDF

My 300-208 exam questions Daddy says that Mamma Microsoft 70-533 Dumps 300-208 pdf is going to 210-260 PDF have to go be with her.” My heart nearly stopped beating. Then 300-208 dumps the boy 210-260 PDF looked at me again 300-208 vce and said, “I told my Daddy to tell my Mama not to go yet. 300-208 pdf I told him to tell her to wait Microsoft 70-533 Dumps till I 300-208 vce got back from the store.” Then he asked 300-208 exam questions me if i wanted to see his picture. 300-208 vce I 300-208 vce told him I’d love to. He pulled out some picture he’d had taken at 300-208 pdf 300-208 exam questions the Learningpdf front of the 300-208 pdf store. He said, “I 300-208 vce Learningpdf want my Mama to take this with her so the Learningpdf dosen’t ever forget me. 300-208 exam questions I love my Mama 300-208 pdf so very much Learningpdf and 210-260 PDF Learningpdf I wish she dind not have to leave me.But Daddy says 300-208 dumps she will need to be with my Prepexamwell 300-208 vce sister.” I Microsoft 70-533 Dumps saw that 300-208 vce the little boy had lowered his head and had grown so qiuet. While he was not looking I reached 210-260 PDF into my purse and pilled out Learningpdf a handful 210-260 PDF of bills. I Microsoft 70-533 Dumps asked the little boy, “Shall we count that miney one 210-260 PDF more time?” He grew excited and said, “Yes,I just know 300-208 vce it has to Learningpdf 300-208 dumps be enough.” Microsoft 70-533 Dumps So I slipped my money Prepexamwell in with Microsoft 70-533 Dumps his and 300-208 vce we 300-208 exam questions began to 300-208 exam questions count it . Microsoft 70-533 Dumps Of course it was 300-208 exam questions plenty for the Prepexamwell doll. He softly said, “Thank you Jesus for giving me enough 300-208 exam questions money.” Then the boy said, “I just asked Jesus to give me enough Learningpdf money to buy 300-208 dumps this doll so 300-208 vce Mama can take 300-208 exam questions it with her to give my sister. And he heard my prayer. I wanted to ask 300-208 dumps him give for enough to buy my Mama a white rose, but 300-208 pdf I didn’t ask him, 300-208 dumps but Microsoft 70-533 Dumps he gave me enough to 300-208 dumps buy the doll and Prepexamwell a rose for my Mama. She loves white rose so much. “In a few minutes the aunt came back and I wheeled my cart Learningpdf away. I could not keep 210-260 PDF from thinking about the little boy as I finished my shoppong in a ttally different spirit than 300-208 vce 300-208 exam questions when I 300-208 pdf had started. And 210-260 PDF Prepexamwell I kept remembering a Learningpdf story I 210-260 PDF had seen in the newspaper several days earlier about a drunk driver hitting a car and killing7 a little girl and the Mother was in serious condition. The family was deciding on whether to remove the life support. Now surely this little Learningpdf 210-260 PDF boy did not belong with that story.Two days later I read in the paper where Prepexamwell the family had disconnected the life support and 300-208 pdf the young woman had died. I could not forget 300-208 exam questions the little boy 300-208 dumps 300-208 dumps and just kept wondering if the two were 300-208 vce somehow connected. 300-208 vce Later that day, I could not help myself and I went out and bought aome white roses and took them to the funeral home where the yough woman was 300-208 dumps .And there she was holding a lovely white rose, the beautiful doll, and the picture of the little boy in the 300-208 pdf store. I left there in tears, thier life changed 300-208 pdf forever. The love that little boy had for his little sisiter and his mother was overwhel. And in a split8 second a drunk driver had ripped9 the life of that little boy to pieces.

Mulheres na Tecnologia: Inovação e Mercado de trabalho

O ramo das empresas de tecnologia está em um grande boom e, incrivelmente, faltam pessoas qualificadas para ocupar uma variedade de cargos. Nos EUA em 2017, haviam mais de 600 mil posições de trabalho desocupadas em carreiras cujos salários são o dobro da média salarial deste país.

Ainda assim, apenas 20% das pessoas trabalhando no mundo tecnologia são mulheres. A questão é, porque uma das áreas mais importantes e que mais cresce no mundo está precisando de gente e ainda assim apenas uma minoria de mulheres ocupa esses cargos?

A desigualdade de gênero no mundo tem sido amplamente debatida justamente por isso. As empresas precisam aumentar, dinamizar e criar equipes mais múltiplas porque sua sobrevivência depende disso.

Porém, para que as mulheres possam realmente ocupar o lugar que merecem no mundo da tecnologia, não devemos poupar esforços criar conteúdos, incentivos e possibilidades para que elas participem da construção deste futuro conectado.

Mulheres na Tecnologia: Inovação e Mercado de trabalho

A importância das mulheres na inovação

O caso da inclusão das mulheres no mundo da tecnologia não é meramente uma maneira de preencher vagas nas empresas. Vivemos em um mundo cuja grande demanda é a inovação. De fato, todas as grandes empresas de tecnologia do século XXI trabalham especialmente com isso. Apple, Google, Facebook, etc.

Inovação não significa fazer algo melhor. Significa fazer algo de maneira diferente. E qualquer mulher do mundo compreende que a maneira delas de criar, produzir e trabalhar tem suas especificações. Considerando que a tecnologia é parte essencial da vida no século XXI, a inclusão de mulheres na inovação tecnológica é totalmente essencial para que o desenvolvimento seja feito de modo democrático.

As mulheres estavam presentes nos primórdios da computação, uma história muito apagada mas hoje retomada por movimentos que buscam ampliar o lugar feminino na tecnologia. Um exemplo é que foram códigos de computador escritor por uma mulher, Margaret Hamilton, que levaram a Apolo 11 para a Lua.

Hoje, como vimos, apenas 20% dos cargos em empresas de informática são ocupados por mulheres. Resultado de décadas de propagação de um estereótipo que associa tecnologia à garotos e homens. Uma realidade que por muito tempo afastou as mulheres do interesse pela tecnologia.

Apesar disso, vemos que grandes mulheres não existem apenas na história antiga da informática, mas também em grandes cargos de empresas contemporâneas. Elas são responsáveis por características inovadoras de grandes produtos, como Susan Wojcicki – diretora-executiva do YouTube – que trabalhou no Google em projetos como o AdWords, Google Analytics e AdSense. Outros exemplos são Sheryl Sandberg – chefe operacional do Facebook desde 2008 e Ginni Rometty: diretora-executiva da IBM e responsável por desenvolver tecnologias de armazenamento em nuvem.

Mas para além desses cargos em empresas de porte gigantesco, existe também espaço para outras soluções que demonstram que a tecnologia tem tudo a ver com criatividade.

É o exemplo de duas mães, Katie Massie-Taylor e Sarah Hesz, que se conheceram em um parquinho de crianças e decidiram fundar uma startup para lançar um app cuja função é unir mães do mundo todo em uma comunidade. As duas ficaram impressionadas que ninguém tinha pensado em um mundo povoado por apps.

Outras mulheres podem liderar passos incríveis rumo ao nosso futuro como espécie, como o fez Rana el Kaliouby, uma cientista que criou uma inteligência artificial capaz de reconhecer emoções no rosto humano, permitindo que máquinas interajam com as pessoas de novas maneiras.

Como podemos ver, as opções de ação de mulheres no mercado de trabalho superam as expectativas das empresas para encontrar novas visões e possibilidades para o futuro. Mas isso depende muito de incentivos. Se sua filha gosta de tecnologia, leia nosso artigo sobre como aproveitar o interesse das meninas em tecnologia.

Mulheres na Tecnologia: Inovação e Mercado de trabalho

4 dicas para mulheres que desejam trabalhar com tecnologia

A inserção das mulheres no mercado de trabalho com tecnologia é inevitável e necessária. Trata-se de um imperativo do mundo contemporâneo e também das lutas por igualdade social levadas a cabo por centenas de mulheres nas últimas décadas.

No entanto, na hora de enfrentar o dia-a-dia em empresas cuja maioria dos técnicos, funcionários e chefes são homens, as mulheres têm de reconhecer quais são as melhores formas de fazerem valer seu esforço. Separamos algumas dicas abaixo.

Reconhecer o perfil da empresa

Existem empresas que se preocupam em criar programas de igualdade de gênero e diversidade social. Se você pretende trabalhar nesse ramo, é providencial reconhecer quais são as melhores opções. No dia de fazer uma entrevista, tente observar se existem mulheres trabalhando no escritório, nas mais diversas posições.

Pesquise online se a empresa faz ações específicas direcionadas aos direitos das mulheres. A AT&T por exemplo, é conhecida por incentivar iniciativas como a Women Who Code, uma ong dedicada a unir mulheres programadoras pelo mundo.

Confiança e determinação

Um dos maiores problemas na inserção das mulheres no mundo da tecnologia é combater o viés enraizado de que elas não são capazes de trabalhar nesse ramo. Superar esse preconceito exige confiança e determinação. Errar, por exemplo, não deve ser um sinal de fracasso, mas de aprendizado. É disso que se trata, aprender, avançar e tomar o seu lugar merecido.

Redes de apoio

Se você busca trabalhar em uma empresa de tecnologia que agora contrata mulheres, isso com certeza é resultado das ações de outras mulheres, que no passado enfrentaram as dificuldades de serem as pioneiras.

Conscientizar-se sobre essa jornada significa ampliar o apoio mútuo entre as mulheres que trabalham no mundo da tecnologia, levando a cabo a ideia de que juntas elas são mais fortes. Sites como o Mulheres na Tecnologia divulgam eventos, conectam mulheres e criam conteúdos sobre o tema, aproximando desafios e pautas comuns.

Aproveitar o timing e as oportunidades

O caminho da inovação exige o aproveitar das oportunidades que aparecem no caminho. As mulheres que desejam crescer em suas carreiras na tecnologia devem aproveitar oportunidades em que suas habilidades possam render grandes evoluções para a empresa.

Susan, a CEO do YouTube que citamos acima, foi a pessoa responsável por recomendar a compra do YouTube pelo Google, por bilhões de dólares. Com certeza podemos dizer que essa mulher soube aproveitar o momento certo para demonstrar a confiança em sua aposta.

O caminho para a igualdade de gênero na tecnologia pode estar ainda distante do fim, mas nós da codeBuddy acreditamos na possibilidade da ascensão cada vez maior das mulheres no mercado de trabalho em tecnologia.

Além disso, contribuímos para o processo, prezando pela diversidade em nossa abordagem de ensino de tecnologia para crianças e adolescentes. A ideia é que o futuro começa quando mais meninas e mulheres descobrem o poder da inovação tecnológica. Confira nossas propostas!


Banner Mulheres na Tecnologia

 Ler mais

Ser mãe no século XXI

Ser mãe no século XXI

É desafiador, incrível, maravilhoso, exaustivo e profundamente instigante. Certamente, todas essas palavras podem ser usadas para definir a experiência de ser mãe. E nisso, estamos de acordo com a opinião de milhares de mulheres do mundo todo. Sim, a experiência da maternidade pode ser um divisor de águas na vida de uma mulher.

Mas no séc. XXI, isso não significa necessariamente que agora ela será definida totalmente e exclusivamente como uma mãe.

Na verdade, podemos dizer que uma das maiores diferenças que o séc. XXI proporcionou, nesse quesito, foi a possibilidade das mulheres se libertarem de esteriótipos que faziam com que fossem vistas como pessoas que apenas tinham que cuidar da casa e dos filhos, enquanto os maridos trabalhavam.

O mundo tecnológico está vendo uma ascendência cada vez mais ampla das mulheres no mercado de trabalho. São executivas, empresárias, funcionárias, trabalhadoras de todos os tipos, que muitas vezes são também mães e que ainda fazem serviços domésticos. Mas como é possível viver tantas experiências simultaneamente? Como as mães do séc. XXI conseguem equilibrar todas as áreas de suas vidas?

Ser mãe no século XXI

Ser mulher full-time

Não somente pela tradição, mas as próprias mães encontram desafios muito particulares na tarefa de cuidarem simultaneamente dos filhos e da vida profissional. De certo, é garantido o direito até 120 dias de licença maternidade (podendo ser expandido até 180 dias). Mas muitas vezes não se trata apenas do tempo de cuidado dos primeiros meses, mas justamente de uma mudança de foco na vida que dificulta que as mulheres retornem para suas carreiras.

Isso não significa que as mulheres do séc. XXI deixem de trabalhar para ficarem em casa cuidando dos filhos. Dados do IBGE indicaram em 2008 que 43,1% das mulheres em idade ativa estavam em ocupações, um índice que superou o crescimento masculino. Ou seja, ser mãe e ter uma carreira implica em ter força, dedicação e empenho para enfrentar os desafios dessa dupla jornada.

As mães de hoje contam com redes de apoio e creches que auxiliam nesse processo de adaptação e algumas empresas que atuam no Brasil respeitam esse processo e criam programas de auxilio para as mães, como auxílio-creche e espaços dentro das empresas para que as crianças fiquem próximas, e até mesmo auxilio psicológico para lideram com o estresse dessa “vida dupla”.

Ser mãe no século XXI

Tecnologia e maternidade

Enquanto algumas coisas sempre continuarão iguais – como, por exemplo, a tendência para cuidar, proteger e amar seus filhos – outras podem ser conciliadas e resolvidas pelos novos tempos. A tecnologia é, muitas vezes, vista com maus olhos quando o assunto é família e interação entre as pessoas. Isso se reflete especialmente em cuidados que os pais devem ter com os filhos na hora de regular, educar ou ampliar a presença da tecnologia na vida dos(as) pequenos(as).

No entanto, a tecnologia de um mundo a cada dia mais conectado pode auxiliar e muito a vida das mães do séc. XXI, tanto no quesito de integração e comunicação quanto na criação de uma proximidade maior com as crianças. Separamos abaixo alguns tópicos com maneiras pelas quais a tecnologia tem ajudado mulheres do mundo todo a avançar juntas em direção a um mundo mais igualitário e inclusivo.

Grupos de whatsapp

Muita gente tem preconceito com grupos de whatsapp, especialmente de mães preocupadas. No entanto, eles são um lugar seguro para troca de informação e no qual redes de ajuda podem ser criadas organicamente. Grupos de mães da escola, mães do bairro, mães no geral, podem usar a tecnologia para aproximar suas questões, dúvidas e frustrações. A internet é, antes de mais nada, uma forma de comunicação e existem inúmeros grupos que demonstram o poder dessa tecnologia na hora de unir as mulheres.

Informação na internet

Existe muito preconceito a respeito da ideia de buscar por doenças e sintomas na internet. No entanto, não somente de paranoia é formado o oceano de informação digital. Um dos maiores problemas que abatem as mães do século XXI é ansiedade causada por duplas jornadas e a sensação de apoio criada por inúmeros materiais online pode ser de grande auxílio. As mães podem encontrar informações em blogs, fóruns e comunidades feitas por pessoas que sofrem de problemas parecidos e compartilham suas história.

● Atendimento e apoio – Segundo pesquisa recente, 85% das mulheres relatam estarem mais felizes e realizadas com o acesso a internet pelo smartphone. Hoje em dia, mães conversam com obstetras e pedriatras sem precisar saírem de casa, conseguindo atendimento personalizado e interatividade. Além da comodidade, esse tipo de eficácia ajuda muito na hora de otimizar o tempo com a jornada de trabalho.

APPs

Hoje em dia existe app para quase tudo no mundo. No quesito maternidade existem centenas de opções para mulheres, como o Baby Center, que ajuda mulheres a compreender os ciclos da gestação. Além do famoso Flo, um formidável app que auxilia no acompanhamento dos ciclos menstruais.

Trabalho remoto

Uma das grandes mudanças que acontece todos os dias na era da informação é a transferêcia para um modelo de trabalho cada vez mais remoto. Para as mulheres que buscam conciliar a vida da maternidade com a vida profissional, essa opção pode ser uma grande chance.

Mesmo que o trabalho não seja feito 100% remotamente, uma empresária, por exemplo, pode trabalhar parte de sua carga horária em home-office, cultivando mais tempo com a família. Essas são apenas algumas das tendências mais aparentes da relação entre tecnologia e maternidade.

Aqui na codeBuddy gostamos muito de focar no papel que a tecnologia pode ter, tanto na educação quanto na integração da vida familiar.

O contexto de diferentes gerações que encontram a tecnologia pode ser um grande passo para que os pais aprendam junto com os filhos a enfrentar os desafios dessa nova era.

Além disso, é importante lembrar que precisamos de mais mulheres na tecnologia! As soluções das quais falamos anteriormente – como apps revolucionários que ajudam mulheres a regular ciclos menstruais e compreenderem melhor a maternidade – só podem continuar crescendo com a presença de mulheres (mães e filhas) no universo tecnológico, programando, inovando, idealizando novas soluções.

E você? Como encara a tarefa de ser mãe no séc. XXI? Você se identifica com os desafios e situações que indicamos nesse artigo? Comente!


Banner Mulheres na Tecnologia

 Ler mais

    wpChatIcon